Hernia cervical 2

Para entender a hérnia de disco da coluna cervical, primeiro devemos entender o que é a coluna. A coluna vertebral é composta por uma série de ossos, chamados de vértebras. As vértebras circundam a medula espinhal e protegem-na de danos. Os nervos ramificam-se da medula e dirigem-se às extremidades. Portanto, permitem a comunicação entre o cérebro e o resto do corpo. O cérebro pode enviar uma mensagem através da medula espinhal e nervos para fazer os músculos se moverem. Os nervos também enviam informações como dor e temperatura do corpo de volta ao cérebro.

As vértebras conectam-se entre si por um disco e duas pequenas articulações denominadas facetas. O disco é composto de um forte tecido conjuntivo que mantém uma vértebra junto a outra. Atua como uma almofada ou amortecedor entre os ossos. Além de absorver impacto, essas articulações possibilitam algum grau de movimento. Logo, deixam você dobrar e girar o pescoço e as costas.

O disco é feito de uma camada externa resistente – anel fibroso – e um centro semelhante a gel – núcleo pulposo. À medida que envelhece, o disco pode começar a perder água, tornando o disco uma almofada menos eficaz. Isso pode causar um deslocamento do centro do disco – hérnia de disco – através de uma fenda na camada externa.

A hérnia de disco pode pressionar os nervos e causar dor, amortecimento, formigamento ou fraqueza nos ombros ou nos braços. Seu médico pode testar alterações nos reflexos, sensibilidade e força nos braços causados por compressão dos nervos ​​pelo disco cervical herniado.  Com menor frequência, a hérnia de disco pode pressionar a medula espinhal, causando problemas nas pernas também.

Como isso é diagnosticado?


Avaliação clínica completa, para determinar o caráter e a localização da dor, seguido de um exame físico cervical e testes para avaliar qualquer presença de fraqueza, perda de sensibilidade ou reflexos anormais geralmente podem diagnosticar e localizar uma hérnia de disco

O diagnóstico do médico pode ser confirmado usando imagens de RX, tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RNM). RX pode mostrar espículas ósseas e estreitamento do espaço discal à medida que a coluna vertebral envelhece e se deteriora. Todavia, não pode mostrar diretamente uma hérnia de disco ou os nervos da coluna vertebral. TC e RNM fornecem imagens mais detalhadas de todos os elementos da coluna vertebral (vértebras, discos, medula espinhal e nervos). Por conseguinte, podem identificar a maioria das hérnias de disco.

Além disso, estudos de condução nervosa são indicados para procurar sinais de danos nervosos resultantes de uma hérnia de disco.

Tratamento não cirúrgico


Muitos pacientes irão melhorar com o tratamento não cirúrgico. Seu médico pode prescrever tratamentos não cirúrgicos, incluindo um curto período de repouso, colar cervical, medicamentos anti-inflamatórios para reduzir o inchaço, medicamentos analgésicos para controlar a dor, fisioterapia, exercícios ou infiltração de esteróides epidurais (corticóides).

Os objetivos do tratamento não cirúrgico são reduzir a irritação do nervo decorrente da compressão pela hérnia de disco, aliviar a dor e melhorar a condição física do paciente. Isso pode ser realizado na maioria dos pacientes com um programa de cuidados organizados que muitas vezes combina uma série de métodos de tratamento. Pergunte ao seu médico se deve continuar a trabalhar enquanto está sendo tratado.

Após o início da dor de um disco cervical herniado, um período curto de repouso (um a dois dias) pode ser benéfico. Após este curto período de descanso, é importante começar a se mover novamente para evitar rigidez articular ou enfraquecimento muscular. Seu médico, com a ajuda de um fisioterapeuta, também pode começar a educação e treinamento em exercícios específicos para fortalecer seu pescoço. Estes exercícios podem ser realizados em casa ou com auxílio de um fisioterapeuta para um programa mais específico para atender às suas necessidades e habilidades. É importante realizar os exercícios conforme descrito pelo médico ou pelo fisioterapeuta.

Seu médico ou fisioterapeuta também pode usar tração, estimulação elétrica, compressas quentes, compressas frias, modalidades eletrotérmicas e terapia manual para reduzir sua dor, inflamação e espasmos musculares.

Medicações e Manejo da dor


Os medicamentos utilizados para controlar a dor são chamados analgésicos. A maioria das dores pode ser tratada com medicamentos sem receita médica. Se você tiver uma dor persistente grave, seu médico pode prescrever opióides por um curto período de tempo. No entanto, você deve tomar apenas a medicação que precisa pois tomar além do necessário não ajuda a recuperar mais rápido, inclusive pode causar efeitos colaterais indesejados (como constipação e sonolência) e pode resultar em dependência.

Todos os medicamentos devem ser tomados apenas como indicado. Certifique-se de informar o seu médico sobre qualquer tipo de medicamento que esteja tomando, mesmo medicamentos e suplementos sem receita médica. Se lhe foi prescrito uma medicação para dor, relate ao profissional a evolução com seu uso. Além disso, não se esqueça de notificar seu médico sobre quaisquer reações alérgicas a medicamentos que você já experimentou.

Os medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) são analgésicos e também são usados ​​para reduzir o inchaço e a inflamação que ocorrem como resultado da herniação discal. Se o seu médico lhe fornecer medicamentos anti-inflamatórios, você deve ficar atento quanto aos efeitos colaterais, como dor de estômago ou sangramento. O uso crônico de medicamentos com ou sem receita médica deve ser monitorado por seu médico devido ao risco de desenvolvimento de quaisquer problemas potenciais. AINE não devem ser usados,  salvo casos específicos, por mais que uma semana,  tampouco combinados entre si.

Os medicamentos corticosteróides podem ser prescritos para dor no braço ou pescoço mais graves, devido ao seu poderoso efeito anti-inflamatório. Os corticosteróides, como os AINE, podem ter efeitos colaterais. Riscos e benefícios destas medicações devem ser discutidos com seu médico.

Infiltrações


As infiltrações epidurais ou bloqueios podem ser recomendados se você tiver dor grave. Estas são infiltrações de corticosteróides no espaço peridural (a área ao redor dos nervos espinhais), realizada por um médico com treinamento especial nesta técnica. A infiltração inicial pode ser seguida por uma ou duas infiltrações adicionais em uma data posterior, e deve ser feita como parte de um programa abrangente de reabilitação e tratamento. O objetivo da infiltração é reduzir a inflamação do nervo e do disco.

As infiltrações do pontos-gatilho são injeções de anestésicos locais (às vezes combinados com corticosteróides) diretamente em tecidos moles dolorosos ou músculos ao longo da coluna vertebral. Embora ocasionalmente útil para o controle da dor, as injeções dos pontos-gatilho não ajudam a curar um disco herniado.

Cirurgia


Para pacientes cuja dor não melhora com os tratamentos anteriores, a cirurgia pode ser necessária. O objetivo da cirurgia é remover a porção do disco que está pressionando o nervo. Isso é feito por um procedimento chamado discectomia. Dependendo da localização da hérnia de disco, o cirurgião pode fazer uma incisão na parte anterior ou posterior do pescoço para acessar a coluna vertebral. A decisão técnica de realizar a cirurgia por via anterior ou posterior é influenciada por muitos fatores, incluindo a localização exata da hérnia do disco, a experiência e a preferência do cirurgião. Com qualquer abordagem, o material do disco é removido, geralmente com bons resultados. A remoção do fragmento de disco herniado pela frente remove a maior parte do disco, além da parte herniada. Portanto, a artrodese é frequentemente recomendada para estabilização vertebral.

O que posso esperar depois da cirurgia?


A cirurgia é muito eficaz na redução da dor nos braços e ombros causados ​​por uma hérnia de disco cervical. Contudo, algumas dores no pescoço podem persistir.

Muitos pacientes podem ir para casa após um curto período de tempo, às vezes tão pouco quanto 24 horas após a cirurgia. Após a cirurgia, seu médico lhe dará instruções sobre quando você pode retomar suas atividades diárias normais.

Um completo programa de reabilitação pós-operatória é aconselhável para ajuda-lo a retomar as atividades da vida diária. A maioria dos pacientes se beneficiará de um programa de exercícios pós-operatórios ou de uma fisioterapia supervisionada. Você deve perguntar ao seu médico sobre quais exercícios podem ajudar na sua recuperação.

A maioria dos pacientes responde bem à discectomia. Assim como em qualquer cirurgia, existem alguns riscos envolvidos. Estes incluem sangramento, infecção e lesão nos nervos ou medula espinhal. Também é possível que a dor não melhore após a cirurgia ou que os sintomas possam retornar. Em cerca de 3% a 5% dos pacientes, o disco sofrerá novo deslocamento e causará sintomas mais tarde.

NASS 150

Sobre o autor

Ortopedia e Traumatologia
Cirurgia da Coluna Vertebral
Fellow of Interventional Pain Practice

Você também pode gostar:

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: