Discectomia

Sabe para que serve a discectomia? Primeiramente devemos entender o que é a hérnia de disco. Em seguida, ficará mais fácil entender o papel da discectomia, a remoção da hérnia de disco.

Quando a parede externa de um disco fica enfraquecida, ela pode romper, por fim permitindo que a parte interna do disco migre para fora. Isso é chamado de hérnia de disco. Uma vez que o material do disco tenha migrado, ele pode comprimir ou até mesmo danificar o tecido nervoso. Consequentemente, pode causar fraqueza, formigamento e dor lombar ou dor irradiada a uma ou ambas as pernas.

Discectomia aberta é a cirurgia mais comum para remover parte do disco danificado e, assim, aliviar a pressão sobre o tecido nervoso. A cirurgia envolve uma pequena incisão na pele, remoção de pequena porção de ligamento e osso para acessar o canal vertebral e, finalmente, identificar o disco migrado para remove-lo.

A discectomia aberta foi realizada e melhorada ao longo dos últimos 60 anos. Com o tempo, ferramentas diagnósticas – RNM e TC – e o próprio procedimento foram aperfeiçoados, permitindo que os médicos entendessem melhor quais pacientes obteriam os melhores resultados com a cirurgia.

Quem é um candidato à Discectomia Aberta?


Nem todos os pacientes com hérnia de disco são candidatos ao procedimento de discectomia aberta. A maioria das pessoas encontra alívio da dor com tratamentos não cirúrgicos, como fisioterapia, medicamentos e infiltrações. No entanto, às vezes a dor não responde a essas terapias e pode exigir uma intervenção mais agressiva.

Se a dor nas costas e nas pernas não responder ao tratamento não cirúrgico e continuar por mais de 4 a 6 semanas, seu médico pode solicitar exames diagnósticos, como RX, TC e RNM, para verificar a origem da dor. Se um diagnóstico de hérnia de disco for confirmado, a discectomia aberta pode ser recomendada.

Atualmente, a cirurgia da coluna está passando por uma revolução. As discectomias podem agora ser realizadas por vídeo, as discectomias endoscópicas. Nesta técnica, uma incisão de cerca de 1 cm é realizada para a passagem da câmera de vídeo e do instrumental, até permitindo realiza-la apenas com anestesia local. No entanto, a discectomia aberta ainda é considerada o “padrão ouro” para tratamento cirúrgico de hérnia de disco. A discectomia aberta permite ao cirurgião a maior capacidade de ver e explorar o local da cirurgia.

O procedimento


A discectomia aberta é geralmente realizada sob anestesia geral e requer internação hospitalar de um dia. É realizado enquanto o paciente está deitado de bruços ou ajoelhado. Durante o procedimento, o cirurgião fará uma incisão na pele de 3 a 5 cm sobre a área afetada. O tecido muscular é desinserido do osso acima e abaixo do disco afetado. Em seguida, retratores mantêm o músculo e a pele afastados para que o cirurgião tenha uma visão clara das vértebras e do disco. Em alguns casos, pequenas porções de ossos e ligamentos podem ser removidos para que o cirurgião possa visualizar e, em seguida, obter acesso ao disco sem danificar o tecido nervoso. Isso é chamado de laminectomia ou laminotomia, dependendo de quanto osso é removido.

Uma vez que o cirurgião tenha acesso ao canal vertebral e consiga identificar o abaulamento do disco ou o fragmento migrado, ele removerá tudo que for necessário para deixar os nervos livres novamente. Nenhum material é usado para substituir o tecido do disco que for removido. A incisão é então fechada com suturas e o paciente é levado para uma sala de recuperação.

Discectomia 2

Após o procedimento


Imediatamente após a cirurgia, pode-se sentir dor no local da incisão, bem como apenas alívio parcial da dor original. Analgésicos são prescritos no período pós-operatório imediato. Você será instruído em técnicas de respiração profunda e encorajado a tossir, a fim de melhorar a função pulmonar. Recomenda-se que, com supervisão, você comece a andar assim que estiver totalmente recuperado da anestesia. Isso ajudará na sua recuperação.

Antes de receber alta do hospital, um fisioterapeuta pode o ajudará a se sentir confortável realizando atividades como subir escadas, sentar e sair de um carro ou de uma cama. Depois de receber alta do hospital, seu médico pode prescrever um esquema de fisioterapia adequado à sua condição.

Em casa, você pode ter algumas restrições menores, como não ficar sentado por longos períodos de tempo, levantar objetos acima de cinco quilos e dobrar o tronco excessivamente durante as primeiras quatro semanas após a cirurgia. Além disso, você não deve tentar dirigir um automóvel até que seja autorizado pelo seu médico.

Caminhar é a primeira atividade física que você pode tentar. Na verdade, ela é amplamente encorajada. Permite manter a mobilidade na coluna, bem como diminuir o risco de formação de tecido cicatricial na cirurgia. Em algumas semanas, você poderá andar de bicicleta ou nadar. A fisioterapia formal pode maximizar sua recuperação.

A maioria das pessoas com empregos que não são fisicamente desafiadores pode voltar a trabalhar em duas a quatro semanas. Aqueles com trabalhos que exijam trabalho pesado, que usem máquinas pesadas ou máquinas que causam vibração intensa podem precisar esperar pelo menos seis a oito semanas após a cirurgia para voltar ao trabalho. Mais uma vez, a fisioterapia tem um papel importante na sua recuperação.

NASS 150

Sobre o autor

Ortopedia e Traumatologia
Cirurgia da Coluna Vertebral
Fellow of Interventional Pain Practice

Você também pode gostar:

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: